domingo, 28 de maio de 2017

DA TUA GRANDEZA APRE[E]NDIDA

Quem te ensinou a inclinar o corpo para a direita enquanto sorri após uma boa ideia? Quem te ensinou a demorar abraço? Quem te ensinou a dizer essas coisas todas que [me] são importantes?  Quem te ensinou a curar a dor de palavra frágil até transformá-la em figura de linguagem? Quem te ensinou a sobreviver com tanta delicadeza?!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

DO AMOR QUE SE GRITA PELA JANELA

Ele jura pelo Cash que seu amor equivale a toda poesia que derrama nas paredes, nos lençóis, na sua maneira desajeitada de fazê-la importante. Ele jura, declamando versos urgentes decorados com rima sofisticada e obscena, que ela o melhora a cada dia. Ele pede, com toda ternura de quem grita pela janela, que ela fique. Pelo menos uma vez para que seja para sempre. 

terça-feira, 28 de março de 2017

ENTRE SUAS BADERNAS

Do seu punhado de fome tenho sede. Da sua raiva que falece a cada respirar profundo sinto dor. Do toque suave das suas mãos [te] desejo: Em frações. Em segundos. Em uma breve eternidade que escorre margem. Em afeto e excitação. 

domingo, 26 de fevereiro de 2017

GLITTER

Vai, atropela alegoria. Harmoniza sua carne com a minha já que é carnaval. Perca o compasso do bloco para seguir samba que nem tem enredo. Vai na ginga, na malícia, no baile, sem máscara, emaranhando em nós toda cor de serpentina. Está chovendo purpurina, mas guardei glitter para fazer tempestade na quarta de cinzas.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

[ME] DEMORA

Prorrogue o alongamento dos seus braços nas minhas pernas. Pode atrasar em mim. [Me] acomoda. Fique mais um pouco. [Me] demora para que eu possa te fazer vértice. [Me] encontra aqui em mim.