Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

VONTADE

Era passado. Era quase adolescência. Mas deu-se coincidência estarem lá, no mesmo lugar, no mesmo sorriso nervoso, na mesma vontade em [in]fidelidade cúmplice dos seus corpos. Ela já tinha feito dele poesia mal acabada. Ele já tinha esquecido nela, toda falta de propósito. E tudo pertencia, no pretérito, à justa forma deles.  Mas tempos depois ela esbarrou [já adulta] no verde dos olhos do menino que sempre foi problema. E ele tropeçou [já homem feito] nos passos lascivos da menina que sempre abusou de ser romântica. Eram outros. Eram quase desconhecidos. Mas ainda sustentavam a mania de grandeza de pertencer a eles, neles.

34th

Ela nasce em todo julho. Ela nasce inverno em todas as cores dos seus tantos cachecóis. Ela nasce em toda tarde gelada em curta-metragem. Prefere películas diminutivas para que caibam mais versões dela mesma.  Ela nasce em [des]aniversários premeditados. Costuma deixar rascunho como obra acabada.  Prefere os ensaios abertos, os amores no plural e a fidelidade de cada um deles. Ela nasce em cada nota de blues. Dizem que ela é culpa do sol em câncer e da influência da lua. Ela jura que é toda ficção, embora tudo seja verdade.  E que a temporada 34th seja de verdades em larga latitude, em doces episódios, em ironia sofisticada, em coisas importantes. E se não for importante, que seja pelo menos divertido. Amém!

COMO SE FOSSE WOODY ALLEN

Se pudesse, narraria os próprios diálogos. Aquela coisa quase-legenda-explicativa-desnecessária daquilo que se disse e o que se quis dizer de fato. Se pudesse, faria como Vicky e Cristina em Barcelona, mas [lhe] faltava certo requinte, ainda mais em comédias românticas. Ainda mais quando impor a própria   presença se faz redundante.  Se pudesse, narraria os diálogos que não eram seus, como se fosse Woody Allen e suas Melindas. Mas ser como Woody Allen dava trabalho, ainda mais quando se tem como verdade a versão que [lhe] convém. Ainda mais quando, ironicamente, a rima pobre se faz presente entre comédia e tragédia.