quinta-feira, 4 de abril de 2013

FRAME



Tinha cor. Tinha a impressão de todas as digitais sem nenhum pixel de resolução. Tinha dor e nenhuma cor parecia suficiente para ser exata. Tinha amor e escapava pelas bordas imaginárias e plásticas. Ele era várias metades de três quartos mal recortados em lembranças sem tons de infância. Ele colecionava-se em pedaços descabidos de arte. Ela o juntava em supostas notas de toda verdade.

11 comentários:

  1. O incrível é que essas notas de toda verdade mudam de significado com o tempo, até virar um mero retrato de um estágio de nós mesmos. Essa é a mágica da coisa rs

    Bjs!

    Danilo Moreira
    http://blogpontotres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Tão bom ler algo bem escrito e repleto de sentimentos.

    ResponderExcluir
  3. E com o tempo este frame vai sendo apenas uma parte de uma sentimental lembrança.

    ResponderExcluir
  4. showww
    http://dicasdadacy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. O texto está excelente!Senti falta de uma imagem.

    ResponderExcluir
  6. Escritora de poucas e densas e intensas palavras! Gosto muito daqui ;)

    ResponderExcluir
  7. É uma pequena reflexão para pensar um pouco mais sobre a vida!
    Gosto muito daqui!

    http://marretada.zip.net/

    ResponderExcluir
  8. Num relacionamento existe sempre alguém rasgado, desfragmentado. E aquele que junta os nossos pedaços.

    ResponderExcluir