segunda-feira, 2 de maio de 2016

RELICÁRIO

Guardo tudo ali: na caixa que também é torácica, embrulhado em pericárdio, molhado em quase afogamento, que molda, anatomicamente, o que definimos como amor o que também é afeto e até aquilo que me contradiz com requintes de rancor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário