sábado, 26 de abril de 2008

VOCÊ

Você sempre pediu que eu tivesse cuidado. E eu nunca entendi. Justo você, que sempre sabia o que fazer, acabou me pedindo pra ser melhor do que você foi. Não dá. Não tem como. Eu não consigo. Talvez também não queira... sabe, eu ainda te sinto bem perto. Tão perto e tão longe, que me confundo toda. Choro e riso. Cena clássica. É como se você estivesse aqui. Como sempre esteve. Onde deveria estar. Eu queria ouvir sua voz. Tenho medo de esquecê-la. Tenho medo da sua ausência. Tenho medo de não saber cuidar de mim e das tuas lembranças.
E você não está mais aqui. E faz tempo. Muito tempo.
[P.S.: têm dias que as saudades são maiores, e dias assim eu escrevo pra ele, escuto algumas músicas que ele gostava, mas não vejo fotografias, porque elas estragam a cena clássica do choro e do riso, dando ênfase à cena do choro. Meu pai era um cara legal. E se eu pudesse escolher alguém pra viver pra sempre, seria ele.]

12 comentários:

  1. esse é o maior problema de uma perda, a saudades, saber que nunca mais poderá tocar, conversar...mas faz parte da vida!

    parabéns pelo texto!

    http://asseteartes.blogspot.com/

    vlw

    ResponderExcluir
  2. lindo Tati....
    perder...? não perdemos , separamos nossa carne por um tempo....ele tá aí.. vc sabe...


    estarei sempre por aqui...
    e clarice não podia faltar né? bjão

    www.daniilopes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Talvez te console...
    Talvez não...

    Mas a beleza é incontestável, assim como a similaridade da dor.

    http://youtube.com/watch?v=_2rnl0IzR_M

    ResponderExcluir
  4. a saudades indicam q vc tem memorias boas e memorias boas devem ficar para sempre

    http://terradafenix.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Tão doloroso, tão sofrido... adorei, bjs

    ResponderExcluir
  6. ai, tati... o coração dói só de ler... não sei o que vai ser de mim sem meu pai... esse cara que eu amo tanto, que é meu alicerce... sei que ele não é eterno e sei tb que devia valorizar mais o tempo que o tenho perto de mim... sei...

    ResponderExcluir
  7. Olá Tati...
    Eu geralmente entro no seu blog pra ler tudo que escreve e gosto muito, mas esse mexeu bastante comigo, pois eu perdi meu pai há 4 anos e as suas palavras tocaram forte no meu coração... A saudade dói mas a lembrança que se tem dos bons momentos alivia a alma...
    Parabéns pelas suas palavras!!!
    Um beijo no seu coração...

    ResponderExcluir
  8. oii...
    passando pra dar uma olhada...
    tem post novo no meu blog..

    www.daniilopes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Sabe Tati,perdi há um mês uma grandíssima amiga,por estes dias fiquei naquela questionalidade louca de pensar,por quê?Como muitos outros que perdem pessoas queridas...Na realidade eu acho que a pessoa que amamos,não deveria deixar-nos aqui no plano terreno pra sempre,não.Ela bem poderia descer um pouco,passar o final de semana:passeando,bebendo, conversando piadas e assistindo clássicos.Depois diria,bom;
    segunda-feira está chegando e vou ter que viajar senão São Pedro me mata...Assim a coisa ficaria mais completa e bonita e mataria nossas saudades intranquilas...Quanto ao filme minha querida,realmente,foi a ponte Rio-São Paulo mais louca virtualmente que já acolhi.O próprio diretor Baz Luhrmann deu uma enstrevista quando esteve no Rio de Janeiro,que um musical não tem de contar uma história complexa.Aquela coisa chatíssima e complexa...E o melhor foi quando aqueles marmanjões corriam cantando "Material Girl"como se fosse brincadeirinha de adultos- crianças.Ele adorava Madonna,dizia que Madonna "era a mulher com quem muitos queriam dormir"comparando-a com Satine,do filme...

    ResponderExcluir
  10. Já lhe disse algo parecido, mas vou repetir: gostaria de sentir pelo meu pai este amor que vc sente pelo seu. Apesar de ateu, acredito piamente que muito dele está com vc, já que em lembranças vc não o esquece, nem o seu jeito, nem a sua voz.

    Um beijo. Saudades...

    ResponderExcluir
  11. saudade tem um gosto amargo, né? ao ler o teu texto me bateu uma saudade do meu pai que mora longe. A um oceano de distância.

    ResponderExcluir
  12. Também tenho medo de esquecer uma voz. Eu a tinha em meu celular mas roubaram. Ligava todo dia pra caixa postal. Uma forma minha de sobreviver...

    ResponderExcluir