quarta-feira, 7 de outubro de 2015

DA TUA CALMA

Da tua calmaria quero fazer meu repouso. Para conter a histeria que você confunde com graça. Para a falta de locução tempestiva que você faz adjetiva. Para a gargalhada fora de hora que nos distrai. Para tudo aquilo que às vezes me cansa, ainda que a intensidade seja meu porto quase sempre seguro. Da tua calma quero o que for inteiro, mesmo que ela seja fingida.


Um comentário:

  1. Gosto muito dos seus textos, mas esse em especial mexeu comigo.

    'Da tua calma quero o que for inteiro,'

    Eu também ! rs

    Parabéns !

    ResponderExcluir