sexta-feira, 19 de julho de 2013

35th



De lá pra cá, amontoados. Alguns cheios de afeto. Outros dispensáveis. E quase todos com a dramaticidade em proporções de seriados de TV. Aquela que [te]  faz sorrir em dias complicados. Aquela que também [te] faz chorar de emoção barata. De cá pra lá, saudades. Algumas doloridas e todas as outras de justa alegria. Entre cá e lá, ela também aprendeu a rezar. Não como todo mundo faz. Não com a formalidade em respeitar a hierarquia dos santos até chegar a Deus, mas com a intimidade de quem acha que a poesia pode ser a oração mais adequada para se dizer o que se sente, o que se quer e o que não se quer mais. Entre lá e cá, ela faz exigências, manifestos acalorados e discursos livres de toda retórica, mas ainda a confundem com polêmicas que, de fato, não são dela, e por dedicar-lhe tanta causa vazia aprendeu a usufruir da maciez da cama e da perversidade da fama. Aos 35 preserva o [seleto] gosto e paladar agridoce com notas picantes que nem todo mundo nota. Que nem todo mundo gosta.

8 comentários:

  1. Bem intimista o texto, não consegui entender bem.

    ResponderExcluir
  2. Em cada frase uma sentença, uma recordação, uma saudade... Você e seu incrível jogo de palavras...

    ResponderExcluir
  3. Texto com personalidade e algum timing. Mas é preciso cuidar para que erros de concordância, como "Aqueles que te faz", não apareçam. Abraços e sucesso!

    ResponderExcluir
  4. Vejo a descrição de uma personalidade, mas com a intensidade de uma simples gota. Ainda sim, essa gota causa algum tipo de afeto em que lê. Abs!

    ResponderExcluir
  5. Indefectível. Como o tempo. Incomensurável. Como a vida.

    ResponderExcluir
  6. Sem dúvida um texto com personalidade.

    ResponderExcluir
  7. Impressionante sua facilidade de brincar com as palavras!

    ResponderExcluir
  8. Belo jogo de palavras com toque de sensibilidade. Parabéns

    ResponderExcluir