domingo, 17 de março de 2013

AXIOMA DA SEPARAÇÃO



E o mundo caiu dos seus ombros fazendo do peso-exagero uma leveza que não sabia lidar. Uma leveza ingênua e mal acabada que insistia num só vazio. Era como sair de casa com medo de ser encontrado. Era como preencher o que parecia já ter transbordado. Era como não mais pertencer ao que já estava acostumado: com tanto tudo de nada.

11 comentários:

  1. Não sei exatamente o porquê, mas me fez lembrar do livro "A insustentável leveza do Ser".

    ResponderExcluir
  2. As vezes me sinto assim, meio cheia, meio vazia...

    ResponderExcluir
  3. "Com tanto tudo de nada." Bela definição!
    Seus textos sempre curtos e profundos, adoro essa sua característica.
    Parabéns mais uma vez!

    Beijos. =)

    ResponderExcluir
  4. Liberar o peso dos ombros é um privilégio, poucos conseguem. Acostumar com essa leveza é algo estranho e demorado.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Caramba, a insustentável leveza do ser= o peso de tanto tudo de nada.
    ;) adorei, como sempre!

    ResponderExcluir
  6. Esse é um dos tipos de texto que desperta o "eu autor" em mim...

    ResponderExcluir
  7. realmente pra se pensar como premissa imediatamente e evidente...abçs

    ResponderExcluir
  8. perfeito feito pra pensar
    beijos

    http://sonhodeoutubro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir