terça-feira, 25 de janeiro de 2011

DESVAIRISMO*

Ela romanceava alguma história que envelhecia como todo mundo. E como quase tudo que envelhece, perde a força. Perde o brilho. Seus trilhos, foscos de ferrugem, descansam em alguma distância que talvez não seja tão importante. Ela tem alguma coisa que incomoda. Outras tantas que acolhe. Ela, que parecia poesia concreta, ainda abusa do romantismo que parece não mais lhe pertencer. Ela finge quase tão bem, que quase todo mundo acredita. E em cada quase, ela se [in]completa. Ela continua em passos compridos, rápidos, cansados. São quilômetros quadrados de [in]exatidão. Ela embriaga em cores e gostos, e  fotografa enquanto [des]foca olhares.

Ela romanceava alguma história que envelhecia em todo mundo. E como quase tudo que envelhece, acumula culpa. Abriga despedidas. Seus versos, exagerados e [des]medidos, podem qualquer coisa. Ela, que parecia poesia moderna, ainda abusa dos prefixos que descorrem entre uma escola e outra. E são os "quase" e os "ainda" que a faz parecida com que era antes. Diferente do que foi um dia.

[* Desvairismo - estilo "fundado"por Mário de Andrade presente no prefácio de "Pauliceia Desvairada"]

14 comentários:

  1. O incômodo é um pé-no-saco. Diria até que incomoda. Nem podemos nos romancear, para afastá-lo. Para sermos alguém, de nós-aqui-mesmo. Não é Mário?, ops digo, Oswald. Po, Tati, foi vc que escreveu isso? [eu ainda me supreendo]Fica me confundindo com os desvairados, só pq tem o mesmo talento?

    ResponderExcluir
  2. Achei muito interessante o jogo de palavras que usa até porque ``ela`` é algo que ultrapassa o tempo e tenta resistir mesmo que envelheça em todo mundo. Bom, foi mesmo uma experiência muito interessante ler seu texto. Ainda me faltam palavras para descrever com as recebi mas, de qualquer modo, você está de parabéns pela sensibilidade poética.

    ResponderExcluir
  3. Interessante esse texto, realmente possui uma linguagem bem organizada e bela, porém confesso que não sei bem aprecia-la.

    ResponderExcluir
  4. Com o tempo as coisas vão ficando como névoas e sumindo gradualmente!

    Belo texto!

    www.anjoguerreirodeluz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Muito bom Tati, texto inteligente. Mário de Andrade era um paulistano apaixonado pela sua cidade, pelos paulistanos. Ele sempre deixou esse sentimento muito evidente. Foi ele uma personalidade importantíssima para a revolução nas artes em São Paulo, na verdade no país. Beijos, amei!

    ResponderExcluir
  6. "em cada quase, ela se [in]completa"

    a cada 'quase', mais e mais tendemos a nos desviar de qualquer preenchimento emocional...

    Abraço! ;)

    http://anpulheta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. belo texto...muito bem escrito...

    ResponderExcluir
  8. Bem interessante o texto, confesso que não sou muito de apreciar textos desse gênero mais sei reconhecer um bom texto.

    http://nadaaverpontocom.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Envelhecer perde a força e ganha sabedoria.
    Um abraço e ótima sexta feira.

    william
    www.tocadowilliam.com

    ResponderExcluir
  10. 'E são os "quase" e os "ainda" que a faz parecida com que era antes.'

    Simplesmente genial. Quase para mais e ainda para menos, sem eles seríamos ou um ou outro.

    Abraço! ;)

    http://anpulheta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir