sábado, 11 de setembro de 2010

ORAÇÕES SUBORDINADAS E REPETITIVAS

A gente se repete. A gente se segue em desordem semântica. A gente não percebe, mas faz esquetes de cenas tolas do dia-a-dia. Confunde tranquilidade com vazio. Não termina nada e mal começa em outros planos. A gente é meio setembro, dos primeiros vermelhos, dos vários tons de azul do céu durante as tardes. A gente é casal moderno, tem geladeira cheia de cerveja, nutella de sobremesa e que às vezes toma o lugar da manteiga. Eu não te espero chegar do trabalho e não canto "Cotidiano" do Chico nem por brincadeira, afinal não faz sentido algum. Mas ainda assim, a gente se repete. 

A gente coleciona padrões inventados em algum momento idiota. A gente não percebe, mas segue todos eles. Confunde vazio com falta de atenção. Não termina nenhuma briga e continua em romance desprovido de cuidado. A gente é um tanto meia-estação, que precisa de um abraço que esquente no final do dia. A gente é casal moderno, tem paredes coloridas, plantas esquisitas e um cd do Elvis Costello para dançar bem juntinho. Sua mãe diz que a gente faz tudo igual, só que um pouco diferente. E a gente se repete. Em dias inteiros. Às vezes, todos os dias.

18 comentários:

  1. Muitoo bom o textoo Tati.. Adoreii

    Obrigada pela visita...

    Beijos!!

    http://entrelinnhas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Mandou muito! É difícil seguirmos os padrões inventados, mesmo que estes sejam amalgamados (gostei dessa) por nós mesmos!

    ResponderExcluir
  3. O "padrão" eternizado pelo Chico no clássico "Cotidiano" não serve mais para casais do século 21. Mas inventamos e reinventamos novos modelos de comportamento, sempre, o tempo todo...

    ResponderExcluir
  4. Adoreeeei! Parabéns! bjs

    http://fofurisis.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Adoreeeei! Parabéns! bjs

    http://fofurisis.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. E na repetição a gente vai construindo alguma coisa igual, mas diferente.

    Sempre um delícia te ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Gostei desta troca rítmica.ficou muito bom!Soube desencadear com preciosidade as sequências e sentidos do casal, como numa arena harmônica dos sexos mais poetizada,navegando em suas divisões e junções temáticas mais escondidas, numa plasticidade bem humorada aonde soube acrescentar todos os pingos nos ''is''...

    ResponderExcluir
  8. "Não há fatos eternos, assim como não há verdades absolutas". E Chico é bacana.

    ResponderExcluir
  9. Mesmo mudando continuamos repetitivos, talvez pelo cômodo conforto de ser e só propormos mudanças quando a situação chegou ao extremo.

    Mudamos para um novo repetido, esse é o ciclo estranho e antropológico.

    Parabens pelo texto!

    Ficou fofo, comportamental e inteligente.

    ResponderExcluir
  10. Gosto de vir aqui e perceber pessoas que leem além do que está escrito.

    ResponderExcluir
  11. Acomodação, por isso nos repetimos diariamente. Podemos não chegar em casa cantando "Cotidiano" do Chico, mas seguimos ela como se fosse um roteiro.
    Para variar um pouco, podemos escrever em espaços como este para que não façamos "todo dia sempre igual".
    Um abraço deste louco,
    Totonho Beleza

    ResponderExcluir
  12. acho que mesmo mudando continuamos repetitivos em alguns aspectos

    ResponderExcluir
  13. Tati, que presente ter encontrado o teu blog!!!
    Esse texto é maravilhoso! Parabéns!
    Bjo

    ResponderExcluir
  14. Marinha, que coisa boa ser encontrada e saber que isso é bom!
    [e como é bom voltar aqui neste post, com esses comentários!!!]

    ResponderExcluir