domingo, 1 de agosto de 2010

AQUELAS AVENIDAS EM HAIKAI

Ela nunca tinha visto tantas luas no mesmo céu. Tão menos tantas luzes de diferentes cores na mesma calçada. Ela caminhava lentamente entre língua desconhecida, jardins quase sagrados e cenário autobiográfico. Ela experimentava, sem resistência, o agridoce dos seus sabores, o abril das suas flores, o julho de suas estrelas todas. Ela não entendia o sorriso comedido, a geometria dos seus origamis, os compassos de suas artes marciais. Ela não compreendia as palavras verticais.

[Ela não sabia explicar como cabia, aquilo tudo que via, em um breve poema haikai]

"Liberdade
vento onde tudo 
cabe"
[Paulo Leminski]

17 comentários:

  1. nunca tinha ouvido falar em haikai ... achei muito interessante ...

    ResponderExcluir
  2. Que poético...
    Gostaria de tb ver avenidas em haikai :)
    E que beleza esse texto do Leminski no final... ;)

    ResponderExcluir
  3. Nota quase desnecessária:

    Haikai é um tipo de poesia japonesa. Já no meu texto, é pura metáfora mesmo!
    Mas se quiser ver as luas do mesmo céu, os jardins, o Festival das Flores [Hanamatsu] e o Festival das Estrelas [Tanabata] é só ir até o bairro da Liberdade, em São Paulo. Lá, a poesia haikai de Leminski cabe tudo.

    ResponderExcluir
  4. Os do extremo oriente conseguem isso, tranquilaços!!

    ResponderExcluir
  5. Uma lua já é romântico. Várias então... Abraços e sucesso com o blog!

    ResponderExcluir
  6. os famosos textos japoneses*-*, costumo acompanhar bastante a cultura por ser budista e por gostar bastante.Adorei o pequeno texto,e adorei o blog tambem ;D

    Visite!
    http://bolinhodevento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu simplesmente fiquei sem palavras diante de tamanhas palavras. Muito interessante.

    o que me resta são os...

    (aplausos...)

    Grande Abraço.

    www.bloginoportuno.blogspot.com

    já ganhou mais um seguidor.

    Bons Ventos!!

    ResponderExcluir
  8. Eu adorei..faz agnt se sentir livre

    ResponderExcluir
  9. Se eu tivesse de escolher um único texto pra falar sobre o encanto que senti durante os poucos dias que passei em São Paulo, certamente, seria esse. Diz tanto em tão pouco. Sem contar a beleza das fotos. Saudades de Sampa...

    Um jogo de palavras encantador. Doce, simples e imponente ao mesmo tempo - como o lua a resplandecer no céu. Pleno de liberdade tal qual o vento do haikai de Leminski. Lindo por demais.

    Meus parabéns pelo texto

    Um beijo, çao.

    ResponderExcluir
  10. O não saber floresce em nuvens postas! Num brincar quase pueril. Não sabendo encantou-se e fez.

    Bjs moça.

    ResponderExcluir
  11. Eu amo haikai, e amo Leminski, tenho orgulho de um gênio como ele ser curitibano. Favoritei teu blog =D muito legal.

    ResponderExcluir
  12. maneiro...gostei bastante!

    http://vauneiguimaraes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Mora no haikai o segredo da síntese absoluta. Aqueles que o conseguem, saberão todo o restante sobre literatura.

    Existe um movimento muito forte no Brasil que se inspirou no Haikai, mas agora seu nome me fugiu...

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Tatiana, como leio bastante seu Blog, e acabei de ganhar um Selo, nada mais justo que partilha-lo com você. passa lá no meu Blog pega o selo,vê as regras e Boa sorte.

    www.bloginoportuno.blogspot.com

    Bons Ventos!!

    ResponderExcluir
  15. Leminski será sempre eterno, mesmo já tendo partido a bordo de um hai-kai para o céu ...

    ResponderExcluir
  16. "Mais importante que entender a arte é sentir a dor do artista."

    Linda postagem.
    Abração grande e amigo.

    ResponderExcluir