segunda-feira, 19 de julho de 2010

32th

A minha vida não tem diálogos dirigidos por Richard Linklater. Na verdade, às vezes, eles possuem uma breve dislexia [des]comportada, mas são honestos [em suas verdades e sentimentos todos] como se fossem dirigidos por ele. Aos 32, as ausências, as tristezas, as palavras duras, ficam bem pequenas perto das delicadezas miúdas. As presenças, os sorrisos, as palavras que preenchem, são mais importantes. Talvez porque são poucas. Talvez porque mesmo poucas, são suficientes. [Desconfio que a delicadeza é um tipo de superlativo, mas que por descuido virou substantivo e vez ou outra, adjetivo].

Aos 32 me permito escolher os que quero bem. Os que quero por perto. Os que quero em minha casa. E vez ou outra, encontro músicas-dedicatórias. Nos e-mails. Nos cds de presentes. Nos pedidos de repertório no bar. Todos eles são pequenos manifestos de carinho. E por alguns instantes, acredito que Cameron Crowee é meu roteirista de fato. Se não da vida, pelo menos dos melhores momentos.

Aos 32 tenho todos os sentimentos do mundo. E eles não são tão duros como os versos do Drummond. Melhor assim. Porque tenho planos de felicidades. Porque a versão 32th da minha vida quer muito [ainda que sutilmente].

20 comentários:

  1. Eu queria essa visão. EU queria mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Tati, feliz aniversário! Lindo texto!

    ResponderExcluir
  3. Ei tati otimo blog, showzinho mesmo, seguireiii, se vc puder segue o meu também http://imundoo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Perfeito o texto, mesmo... As palavras se encaixaram todas perfeitamente *-*

    Estou seguindo ;D
    http://cgw-sonhoperdido.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, gostei muito da sua forma de se expressar. Um embate forte, equilibrado entre a poesia e o ácido, a realidade e os sonhos, o que se espera e o que nos é oferecido como opção. Gostei muito do seu blog.

    __
    http://www.coracaoonline.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do seu texto e sua forma de organizar as palavras "sutilmente". Tenho metade dessa idade, e tentarei aproveitar os próximos 16 para chegar os 32 com tal modo de olhar a vida, pois ela é uma deliciosa armadilha!

    Visite o meu; http://pontapedepartida.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. 32 anos de vivencia...vivendo , aprendendo ,errado...mas sempre seguindo em frente,,,

    ResponderExcluir
  8. mto bom, adorei!! escreve muito bem, parabéns
    http://naosentindo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. amei o post *-------*
    obrigada pela visita, vim retribuir ^^ seu blog eh lindo

    ResponderExcluir
  10. Delicadeza é sim superlativo, ou como voce disse, até parece ser. É uma GRANDE coisa e maior e melhor do que qualquer outro p-a-l-a-v-r-ã-o.

    Ah, e a vida é sempre melhor quando o roteirista é a nossa própria imaginação. Os melhores momentos correm soltos quando conseguimos nos imaginar neles. Somos capazes de tudo, até de fazer nossas vidas se tornarem versos de Drummond ou histórias melancólicas sem nenhum consolo maternal como os de Alvares de Azevedo.

    32 anos não é mole não! Mas não sei muito o que dizer sobre isso, tenho apenas 16 anos. E só de pensar nos meus 18 fico num estado de nostalgia. Eu o desejo e não o desejo. Espero que você tenha certeza de quem é nesses seus 32 anos e pelo força que o texto tem, você certamente sabe.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Há pessoas sensíveis, aos fatos, e pessoas que não conseguem abstrair a verdade submersa num texto tão justo, digno e claro! Segui-la? putz que ironia... eu já faço isso em vida própria, em ato solene e em gesto afeto! Desejar o trivial [deixo aos tantos que do pouco vestiram-se!] não faço... aos 32 eu desejo o ideal, se é que existe, para a época! bjs e cuide-se moça...

    ResponderExcluir
  12. Minha cara amiga,aos 32;quanto destas sensações fugídias e peregrinantes,espelhando todos estes nossos dias bons,vem assim, simples;não??Brilhando opiniões adaptadas e que não se espera!Nas veredas em que nada o silêncio pôde gritar...Aos 32 com o sentimento do mundo,em nada pesa nos ombros,nos músculos,porque todo sentimento nos reanima...

    ResponderExcluir
  13. Tati,

    Me identifiquei muito com sua postagem. Um texto maduro, objetivo, e eu, aos 36 anos, penso exatamente igual a vc. Ás vezes acho que estou ficando velho, ou exigente, e até mesmo insuportável, pq resolvi que me dou ao direito de escolher o que quero sentir, ouvir, perceber, amar... Acho que o tempo de experiências passou, e acho que isso se chama maturidade. Tudo me parece mais absoluto agora! Adorei seu texto!

    abração

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Vc escreve muito bem, manero o seu blog

    ai foi mals porque deu pau na net aqui...entao demorei mais comentei desculpa ai


    http://os-manos-loucos.blogspot.com/

    os manos loucos

    ResponderExcluir
  15. aah, eu queria pensar assim, estou com 17 e já acho tudo tão chato

    =)

    ResponderExcluir
  16. alicedescedolustre24 julho, 2010 19:29

    Numa frase, delicadeza miúda procê: tati, vc me emociona. Qdo vai até lá, qdo venho até cá. Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Coisa boa vir até aqui e encontrar o Jordan, a Carol [Alice desce do lustre!], o Vinícius, o Rod... parte do todo que faz a vida mais poética, fato!

    ResponderExcluir
  18. Olha que a minha vida tem algo de Waking Life...

    ResponderExcluir