quinta-feira, 18 de março de 2010

TODA COISA NOSSA

Ela apenas complementa, um dia depois de tantos outros:
"Aceito a minha parte. Toda ela. Sem metades"

E ela, não considerou as circunstâncias [des]favoráveis. Nem o [des]cuidado das coisas. Lembrou apenas que "pode sim, pode sempre como toda coisa nossa".


["pode sim, pode sempre como toda coisa nossa" faz parte do poema "Campo de Sucatas", de Paulo Leminski]

17 comentários:

  1. O poder é tão imenso que chega a sublimar as ausências e eu um mero crente e credor atiro-me ao pensamento nulo. Ser toda coisa faz parte do querer viver.

    Bjs moça e sinceras saudades!

    Depois do trampar com PBM, quero trabalhar com você.r.sss

    Ah e obrigado pela ida ao Confraria!

    Hoje estou por lá com algo que certamente gostarás inclusive ao ouvir o refrão!

    ResponderExcluir
  2. Leminski é muito bom: "Não discuto com o destino o que pintar eu assino!".
    Parabéns pelo texto e pelas ótimas referências.

    abç
    Renato

    ResponderExcluir
  3. Morei em Curitiba,esse cara só me mostrou o que eu sabia...Ele só merece uma tatuagem no meu braço direito,e do esquerdo Torquarto Neto,duas pessoas que não foram compreendidas e que me remetem por dias,raiva e raiva,e não sabe o quanto de raiva...

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante o trecho escolhido, estou aqui refletindo mas valeu a pena a visita. Pelo que pude entender, acho que é como se não se pudesse realmente ter a parte pois é ela é mesmo tempo parte e todo.

    abcs

    ResponderExcluir
  5. Olá Tati, sou do blog historona e estou aqui para retribuir a visita :D

    Você falou do layout do meu blog, mas o layout do seu não perde nada em simplicidade, suavidade e receptividade.

    E textos postados, apesar de econômicos no tamanho (assim como os meus), são de uma capacidade interpretativa absurda. Adorei o texto Teatro do Absurdo e O Dia que Vem (que mais parece música, poema, do que prosa :D).

    Estou te seguindo. bjo bjo

    ResponderExcluir
  6. Comentários deliciosos de ler: pessoas inteligentes, sensíveis, disponíveis! Adorei todos vocês aqui. Aos que conheço (Rod e Jordan)meu beijo ora analgésico, ora opióide. Aos que não conheço, boas vindas!

    ResponderExcluir
  7. Haha.. peguntinha interessante. Eu já até pensei em escrever um desses minicontos e colocar um nome de uma menina, mas depois achei que ia parecer forçado porque as histórias que conto, embora representem de certa forma o comportamento de toda criança, são as que eu lembro que aconteceram comigo. Por conta disso, pensei de início em colocar "ele" e "menino" em todos os contos, em vez do nome. Mas depois me veio a idéia de sempre colocar o nome de um amigo meu da infância. Eu morei numa vila, e sempre tive muitos amigos. Resolvi fazer uma espécie de homenagem, porque cada um me faz recordar muitos momentos especiais. respondido mocinha? bjs bjs

    ResponderExcluir
  8. Ela vive...
    Saudações Poéticas
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Não conheço este poema. Vc poderia colocá-lo inteiro?
    Bjkas

    ResponderExcluir
  10. muito bom .,parabens pelo post e pelo blog;;

    ResponderExcluir
  11. Que complexo... Perguntas que me fiz!
    Mas vc acha que é complexo por que? Pq vc tenta entender o que o autor quis dizer ou não, vc preza pela sua compreensão do que leu? pergunto isso pq sei lá, às vezes (quase sempre, rs) não sei como se interpretar um poema/ uma poesia... nunca sei se tenho q ir pelo q eu entendo do q leio ou se não, se é preciso chegar aonde o autor quiz dizer com aquilo, aliás, entendeu minha questão complexa? Concluo que neste caso, eu gostaria de entender a retórica do autor, embora acredito que seja natural interpretar algo de uma maneira interpessoal.

    se quiser e puder:

    http://memoriaspsicodelicas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Marcela, sou do tipo que acha que as interpretações têm de ser livres. Que a arte [música, literatura, plástica...] tem o registro oficial e várias versões. São versões de quem a percebe, de quem a sente, ou de quem a observa apenas. Não importa ser um ou tudo junto. O que escrevo aqui, é prosa poética. De real tem apenas o sentimento que empresto para fragmentos inventados.

    Obrigada pela vinda, por levantar essas questões.

    ResponderExcluir
  13. Você agradecendo elogios.r.ss ora és merecedora de muito mais!

    Bjs e vc vai mesmo ao Sarau?

    E hoje tem Confraria sim senhora.rss venha ver a que ponto vai a loucura!

    ResponderExcluir
  14. As felicitações estão no grupo das coisas que não têm tempo de se receber, por isso as aceito de bom grado!

    Gostei do toda coisa nossa e gostaria de ter escrito. Acho que vou me inspirar um pouco por aqui antes de tentar seguir, sem tornar fardo a rotina.

    Bom te ver.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Viva a peculiaridade humana da singularidade!

    ResponderExcluir