segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ALÉM DA AUGUSTA E DA AVENIDA SÃO JOÃO

Aqui Haroldo de Campos envolve poesia num jardim imenso de rosas. Os versos cosmopolitas se confundem nos reflexos das avenidas congestionadas. Enquanto isso, Veríssimo nos embriaga pela "Décima Segunda Noite" e disfarça doçura com um espetáculo de "Orgias". Aqui os passos têm pressa. Aqui os passos têm ritmo enquanto descem entre os riffs da Teodoro Sampaio e se rendem ao chorinho da Calixto no cair da tarde. E o concreto abstrato de suas paredes se faz arte - às vezes, ditongo desvairado. Aqui a garoa não é metáfora, nem antítese. Aqui o vai e vem se faz fábula, parábola e alegoria - nada do que não era antes.

14 comentários:

  1. será que dá pra sair poesia na paulista em plena quarta-feira na hora do rush?
    tem que ter saco e muita criatividade, kkkkk
    abraços.
    Leandro Andrade
    diariodeplantao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Lá vai uma observação e outra sobre o texto:

    1. A Casa das Rosas, na Paulista, também é conhecida como espaço Haroldo de Campos... além do jardim repleto de rosas, tem muita poesia pelo casarão. Um lugar bom pra entrar e ficar.

    2. O Veríssimo é um bar imensamente delicioso e criativo: o dono de lá é fã do escritor e resolveu homenageá-lo em cada detalhe: nas paredes há cartazes (tipo folhetim) com as capas dos livros do Luís Fernando Veríssimo. O cardápio é temático: cada obra do escritor abre a série de guloseimas e bebidinhas boas. (no caso, "Décima Segunda Noite" e "Orgias" fazem referência, respectivamente à carta de uísque e de doces.

    3. A Teodoro Sampaio é uma das ruas mais musicais de SP... suas calçadas mal cabem a quantidade de gente que busca instrumentos musicais e livros nos diversos sebos.

    4. A Praça Benedito Calixto aos sábados é cenário de uma feira de antiguidades emoldurada por bares e botecos simpáticos. É gente bonita, gente esquisita, gente colorida que se mistura por lá. Os tiozinhos tocando chorinho no meio da feira é bem legal.

    5. "Nada do que não era antes" faz referência à música "Sampa", de Caetano Veloso - talvez a música que mais retrata a visão de quem chega de fora.

    P.S.: Leandro, poesia não acontece somente quando as coisas estão em perfeita harmonia. Talvez por isso escrever São Paulo seja tão prosa, ainda que poética!

    ResponderExcluir
  3. Caramba... como ja falaram logo acima: essa mistura deve ser uma delícia.

    Adorei o efeito ali no "labels" no blog! Adorei vir aqui.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto! Conseguiu traduzir de uma bela forma uma cidade caótica como São Paulo. Depois verei com mais calma os links de cada autor.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  5. Texto muito bem elaborado... muito bom pra se ler! Virei sempre aqui!

    ResponderExcluir
  6. hauahauhau tati...
    gostei, espeficicou muito bem outros lindos lugares de sampa..

    ResponderExcluir
  7. É uma pena eu não conhecer São Paulo, mas um dia irei conhecer!

    ResponderExcluir
  8. Oi, tô com o orkut novo e estou sorteando aos seguidores do meu blog, um convite para o novo orkut, se estiver interessada(o), é só entrar no blog: http://visaopoetica84.blogspot.com/

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  9. Muito Bem!!!Vc conseguiu descrever um pedacinho de SP com muita poesia e inteligência!!!Parabéns foi brilhante....

    ResponderExcluir
  10. Ouvir cada palavra com a sinuosidade de quem só esta lendo me faz ir adiante no que quiseres por certo dizer.

    E eu um mero viajante, desse país, aportei por sampa há bem mais de 1 ano e reconheço em cada bom verso um sentido poético que poucos, morando há anos, nem mesmo podem perceber.

    Ou pior... uma explicação sonora do que poderia ser somente um li, captei e digeri. Por que é isso... poesia em são paulo pode ser concreta, por que dela se faz e dela se alimenta, mas pode ter o doce senso de uma metrópole em ebulição perceptiva, por vezes, grosseira, mas seguramente afável.

    Um doce ao som de Caê, brejeiro e cosmopolita, com visão tão arbitrária quanto, suntuosamente, acessível ao bom poeta... ao que se faz sem perceber, querer ou sentir... ao que é delimitadamente carne, sangue e alma.

    Bjs moça...

    ResponderExcluir
  11. Pois aqui nunca chove, e quando chove, nunca pára...

    PS: Sou eu! Ou melhor, um eu.

    ResponderExcluir
  12. Gostoso ler isso..

    saudade do tempo que passei aí.


    (obrigado pela visita)

    ResponderExcluir
  13. adorei o ritmo e o tema. foi uma otima experiencia ler isso

    ResponderExcluir