terça-feira, 18 de novembro de 2008

POESIA EM [DES]CONSTRUÇÃO

Pronuncio absurdos. Improviso clichês. Minto coerência. Denuncio-me em atos falhos. Faço de sentimento, obra de arte. Abstrata. Aleatória. Niilista. Ironizo as sequências. Pratico discordâncias. Escandalizo em cores fora de foco. Provoco displicências. Teorizo suposições. Dadaístas. Minimalistas. Simplistas. De mim. De você. De nós dois.

22 comentários:

  1. Tati,que coisa linda.
    Só vc msm!

    ResponderExcluir
  2. Seu texto todo poderia ser substituído por uma única palavra:
    AUTENTICIDADE.
    Nada como ser autêntica... Isso faz toda a diferença.

    Obrigado por voltar ao blog. Espero que tenha gostado do novo visual.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal. Acho fantásticas essas construções com períodos coordenados sem conjunção. É como se desse um passa-fora nas conjunções.
    É o desafio de ser criativo com a redução dos recursos.. você foi bem viu..
    bem mesmo
    Abs

    ResponderExcluir
  4. Originalidade é tudo na nossa vida. Isso que nos faz ficar marcado na vida das pessoas;

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito,
    curto mas profundo rs
    Você faz ótimo uso das palavras
    Beijo!

    http://ycamargo.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito do ritmo que vc consegue alcançar nesse jogo de palavras e significados.

    ResponderExcluir
  7. gostei de seu texto. mutho louco. fui...

    ResponderExcluir
  8. "Teorizo suposições"

    isso eu faço muito...:D

    ResponderExcluir
  9. Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.

    Belo texto, o teu: entusiasmante!

    Abraços, flores, estrelas..

    ResponderExcluir
  10. é de fato uma desconstrução poética. O que é bom, sempre bom.

    ResponderExcluir
  11. . . .sorry...ainda pensando a respeito...talvez volte depois e comente minha conclusão...xD~

    ResponderExcluir
  12. Desconstrução muito boa, e a construção como ficaria.. bjsmil*

    ResponderExcluir
  13. Belo texto. Daria uma excelente letra de música.
    vlw.

    ResponderExcluir
  14. Esta carícia de fresca brisa
    Transporta a beleza de Oriente
    Uma voz doce cede ao silêncio
    Esta aurora acorda finalmente

    A sombra perdeu-se na luz
    Escuto o pranto e o riso na bruma
    Palavras fugindo ao sentido
    Lembranças perdidas na espuma


    Boa semana



    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  15. Simples e complexo... diante dos meus olhos a arte se mostra e se encobre em tamanha poesia.

    Curta e grandiosa... o dito enumera formas sensorias de ser devorada.

    Digo, pratico e nem por si me redimo...

    eis o escritor em constante desventura.

    Bjs,



    Novo Dogma:
    roMance...


    dogMas...
    dos atos, fatos e mitos...

    http://do-gmas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Uma tentativa de rima rica...Hummmm... Legal! É experimentando que a gente chega onde quer! Ou, se preferir, por onde quer!

    ResponderExcluir
  17. Até em desconstrução seu texto ficou bem construído!
    Hehehe...
    Parabéns!!!
    =)

    http://esperaemdeus.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Belo texto

    Muito bonito

    escreve muito bem

    parabéns

    ResponderExcluir
  19. Maneiro. "Dadaístas", nem me lembre disso, lembro-me quando na escola - 2º Colegial se não me engano - tive que fazer coisas do gênero, ahh como eu odeio isso. *risos*

    ResponderExcluir
  20. muito bom o jeito como você usa as palavras,a maneira com que você tenta explicar o texto é otimo tbm..adorei o blog,vou passar mais vezes aqui..

    comenta de volta?
    http://juliana-valerio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Gostei da tua poesia.
    Embora usa elementos da prosa, elemina os versos e não tem o formato padrão, ficou demais.
    Por isso que é uma boa desconstrução, tanto poética quanto física.

    ResponderExcluir
  22. Ótimo. Frases curtas e diretas. Não sei porque, mas li imaginando o Arnaldo Antunes interpretando, acho que ficaria bem na voz dele.

    abs

    ResponderExcluir