domingo, 21 de setembro de 2008

LICENÇA POÉTICA

 Senza fine by Gina Paoli on Grooveshark

Nos últimos cinco anos eu não fiz nenhum percurso que me levasse a você. Não como as pessoas costumam procurar a presença de quem já não está mais aqui. Não como te acompanhei quando ainda era criança, em busca da avó que não conheci. Às vezes penso que poderia ser igual a todo mundo: te levar flores. Mas você não gostava de flores, com exceção dos girassóis. Eu também poderia colocar seu nome na listinha de orações de domingo. Mas assim como você, não costumo ir à igreja. Nos últimos cinco anos o meu percurso poderia ter sido igual ao de todo mundo, mas eu te procurei apenas nos lugares que sabia que poderia estar. Reservei algumas horas para ouvir as músicas que você não deixava terminar e acabei descobrindo várias outras que você certamente iria gostar. Senza Fine é uma delas. Queria muito tê-la encontrado antes, só pra poder te mostrar. Também te encontrei em histórias repetidas, porém inéditas pra quem não te conheceu. Os últimos cinco anos oscilam entre o perto e o longe. Você não sabe mais de mim. E eu tento escrever sua história por garantia. Dou a ela os mesmos eufemismos sentimentais que sempre presenciei.

Você me fez ler Drummond hoje. As pessoas costumam rezar em dias assim. Eu procurei algo que fosse mais próximo de mim e de você. Rezei os primeiros versos de 'Mundo Grande', onde diz assim: 'Não, meu coração não é maior que o mundo. É muito menor. Nele não cabem nem as minhas dores. Por isso gosto tanto de me contar. Por isso me dispo. Por isso me grito (....) preciso de todos'. Peço uma licença poética pra te dizer isso. Outras pessoas nos lerão e saberão que mesmo depois de cinco anos, o meu percurso não parece querer te levar flores. Apenas te ouço em canções repetidas e te entrego outras que certamente te faria sorrir.

12 comentários:

  1. Primeiramente obrigado pela vista feita no OR.

    Que texto lindo,a música também, mesmo que eu não saiba falar italiano é possível sentir a emoção que a música quer passar. Mais póetico que as palavras são os sentimentos de saudade, amor e afeto, por isso ame sempre.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei do teu texto. Um tanto complexo, mas bom, e a música também.

    ResponderExcluir
  3. Bonita sua forma de escrever! Técnica, lirismo na medida certa, emoção, história, bem elaborado. Parabéns, moça!!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Opa!!!
    Que texto bonito...
    Me fez pensar um monte....
    E o poema já ficou guardado no meu inventário de coisas.
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  5. Não sei ao certo sobre quem falou, mas também não sei quantas vezes já disse o quanto seu texto toca, né, Tati?
    ;)
    PS: girassóis são meus favoritos!

    ResponderExcluir
  6. Respondendo alguns e-mails: esse post é para meu pai. Ele morreu há cinco anos e confesso que preciso repetir suas histórias e ouvir suas músicas para sentí-lo ainda por perto.

    ResponderExcluir
  7. Agora com a explicação ficou muito mais intenso!!

    Se eu já tinha achado bom antes (sem entender para quem era), agora eu considero muito mais forte e expressivo! Muito bom mesmo!!

    ResponderExcluir
  8. Gosto de textos assim,juntando quase uma coisa espiritualizada,e está coisa de 'gosto tanto de me contar'de Drummond,realmente move meu mundo

    ResponderExcluir
  9. Jordan... e sete anos se passaram. Tudo ainda tão recente e ao mesmo tempo tão longe.

    ResponderExcluir